Anterior

LiterAltos: Ao meu futuro amor...Hoje!

07/02/2020

Anterior

Próxima

LiterAltos: Pega da rês fujona (Trecho retirado do livro Homini Lupus de Antonio Soares)

09/02/2020

Próxima
07/02/2020 - 14:50
LiterAltos: A NOIVA

No cenário celestial e caprichosamente florido, tudo conspirava em favor daquele casal de namorados. No horizonte, o crepúsculo da tarde promovia um espetáculo de luz e de beleza que, aos poucos, ia dando lugar aos clarões frouxos e azulados da lua que já despontava na linha turva do nascente.
 Foto: LiterAltos 

DA OBRA CONTOS E RECONTOS ALTOENSES, DE PEDRO PAIVA

A NOIVA

       Era final de tarde. Maio em flor! Os paus-d’arco coloridos se envergavam ao látego da brisa melodiosa e concupiscente, espalhando por todo o vale que se estendia para além da vista, o aroma suave de flores silvestres.

       No cenário celestial e caprichosamente florido, tudo conspirava em favor daquele casal de namorados. No horizonte, o crepúsculo da tarde promovia um espetáculo de luz e de beleza que, aos poucos, ia dando lugar aos clarões frouxos e azulados da lua que já despontava na linha turva do nascente.

       - Já é tarde, meu amor! Preciso ir – disse Doninha. Ver-nos-emos, amanhã.

       Foram vários anos de romance e de encontros amorosos até que uma disputa por terras colocara as duas famílias em pé de guerra e de rivalidade, marcada por uma série de mortes e de assassinatos que se sucederam uns após os outros.

Fabrício, pressionado pela família que temia vê-lo assinado pelos rivais, viajara para longe de Doninha e a jovem não suportando a ausência do amante, encontrou na loucura uma forma de sublimar a solidão.

       A partir daquele dia, Doninha não falara com mais ninguém, nunca mais fora vista nas festas e nos adjuntos, não conhecera mais as amigas. Reclusa na sua torre de marfim, Doninha sonhava todos os dias com a volta do noivo.

Alguns anos mais tarde, Fabrício retornara às Porteiras Velhas e seu maior desejo era encontrar a amada, apertá-la nos braços, beijá-la sofregamente e tomá-la como esposa.

      Naquele dia, o povoado se preparava para uma grande festa. No baile, Fabrício encontrara a amada que há muitos anos não saía de casa, mas que ao saber da volta do noivo, resolvera ir ao baile. Dançaram a noite inteira, beijaram-se, amaram-se, fizeram amor e até trocaram juras secretas e promessas eternas de casamento.

No dia seguinte, o semblante de Fabrício era só felicidades. Curiosos, os familiares indagaram-no o motivo de tanta alegria e enquanto todos ouviam, atônitos, Fabrício contar, com riqueza de detalhes o reencontro com Doninha, uma voz solene veio lá de dentro da camarinha:

       - Isso só pode ter sido um sonho, meu filho, pois Doninha morrera há mais de dez anos!

       E foi só então que contaram para Fabrício que, depois da partida dele, Doninha enlouquecera, permanecera por mais de dez anos trancada em casa, não falara mais com ninguém, mal se alimentava, não se asseava mais, nem se cuidava até que, num belo dia de sábado e para espanto de todos, Doninha amanhecera lúcida e disposta, tomara banho e viera à feira dos Altos de João de Paiva. Sorridente e feliz, Doninha cumprimentava a todos. Voltou a reconhecer a todas as amigas e abraçara a todas num daqueles momentos em que a saúde costuma visitar o doente na véspera da morte e a sanidade retornar, brevemente, aos loucos, externando uma lucidez impressionante.

       Era mês de maio – os pais de Doninha, que há muitos anos não saiam mais de casa para nada, vendo que a filha estava curada, resolveram ir à novena de Maria na casa de parentes da família. Doninha não fora alegando que ainda estava se recuperando da insanidade, mas que os seus pais ficassem tranquilos que ela já estava curada.

       Convencidos, então, da cura da filha, os pais foram agradecer à Virgem a graça recebida.

       Enquanto estavam ausentes, Doninha tomara banho, perfumara-se toda, cobrira com pó de arroz as faces angelicais, passara batom nos lábios e, em seguida, se vestira de noiva.

       Estava linda e radiante e ali no altar que a fantasia tresloucada lhe permitiu idealizar se untou com o óleo que havia comprado na feira dos Altos de João de Paiva e pôs fogo no próprio corpo, dando fim a uma vida de longo sofrimento e de interminável abstinência amorosa para gozar na eternidade as bodas nupciais.

       Desolados que ficaram com a tragédia, os pais de Doninha se suicidaram e o resto da família sumiu da localidade sem deixar nenhum paradeiro.

       Enlouquecido, Fabrício chorava, gritava e se batia, recusando-se a acreditar naquela história dos diachos, louca e descabida e só se convencera da verdade quando, chegando ao cemitério, mostraram-lhe o jazigo onde Doninha Sindá, sua amada, estava sepultada.

 

DA OBRA CONTOS E RECONTOS ALTOENSES, DE PEDRO PAIVA






Link:




Deixe seu comentário



Vídeo


Newsletter
Cadastre seu email e receba nossos informativos e promoções de nossos parceiros.