Anterior

Mister Piauí Universo 2019, tem representante forte da cidade de Altos

22/04/2019

Anterior

Próxima

Assalto termina com dois presos e um baleado em Altos

23/04/2019

Próxima
22/04/2019 - 22:44
Equipe da Tv e Portal O Jornal, visita nascentes do Rio Marathaoan

O segundo importante ponto fica no povoado Recanto do Marathaoan, como o próprio nome do povoado já diz, neste caso as águas que caem nos povoados Mandú, Mandubé e Poço de Pedra, localidades que fazem divisa com o Recanto, se dividem e boa parte delas seguem formando a nascente do Rio Marathaoan, os dois pontos se encontram acerca de dois quilômetros após. Os dois quilómetros marcam ainda a circunferência da nascente. Outro grande destaque são as jazidas de areia grossa e maçará que existem nesta nascente.
 Foto: O JORNAL  

Nascente do Rio Marathaoan

 

De acordo com informações o rio Marathaoan nasce entre os municípios de Altos e Campo Maior, percorre os municípios de José de Freitas, Cabeceiras e encontra-se com o rio Longa na cidade de Barras, onde o Rio Marathatoan possuiu uma grande importância econômica para os ribeirinhos das cidades já mencionadas.

Dois pontos principais marcam a nascente do Rio Marathaoan, um deles fica no povoado Quintas município de Altos, as águas que caem nesta região se dividem, uma parte forma pequenos afluentes e forma um braço do Rio Marathaoan, outra parte seguem em direção ao Rio Suribum que passa logo próximo. O segundo importante ponto fica no povoado Recanto do Marathaoan, como o próprio nome do povoado já diz, neste caso as águas que caem nos povoados Mandú, Mandubé e Poço de Pedra, localidades que fazem divisa com o Recanto, se dividem e boa parte delas seguem formando a nascente do Rio Marathaoan, os dois pontos se encontram acerca de dois quilômetros após. Os dois quilómetros marcam ainda a circunferência da nascente. Outro grande destaque são as jazidas de areia grossa e maçará que existem nesta nascente.

Nos dias 17 e 18 de abril de 2019, a produção da Tv e Portal O Jornal esteve no povoado Recando do Marathaoan e percorreu cerca de quase dois quilómetros no leito do da nascente do Rio Marathaoan do ponto onde já existe águas mais profundas até o olho d’água da daria origem a nascente.

No trajeto percorrido, verificou-se que uma série de problema vem sendo enfrentado pela nascente do Rio Marathaoan, assoreamento provocado pelo desmatamento, além de outras grandes alterações que contribuíram a descaracterização da nascente.

O ponto mais visível da interferência humana, encontra-se no olho d’água, que devido ao desordenado desmatamento, a água não jorra mais como antigamente e está no triste estágio de ter secado literalmente, o caso é tão grave que nem as fortes chuvas que cariam no inverno de 2019, foram suficientes para o olho d’água volta a surgir.

O principal olho d’agua que daria origem a nascente do Rio Marathaoan, provavelmente tenha mudando para um outro ponto que não foi visitado pela equipe de O Jornal, mas se percebeu um córrego segui para outra direção e é o que estar alimentado a nascente.

Em fevereiro de 2017, uma equipe da secretaria de Meio Ambiente e Recursos Hídricos da cidade de Barras, eles tinham o objetivo de mapear o trajeto para realização de uma grande expedição, envolvendo pesquisadores, alunos, ciclistas e motociclistas, para a sensibilização das pessoas à prevenirem a nascente e todo o percurso até a foz do rio Longá na cidade de Barras, onde os rios se encontram.

A equipe saiu da nascente do rio Marathaoan, prometendo solicitar ao governador do Estado do Piauí, a implantação de uma unidade de conservação e criar um parque estadual, na nascente do Rio já citado. Esta informação referente a visita da equipe da prefeitura de Barras consta no site Longah.com e data de 16 de fevereiro de 2017.

Equipe da Tv e Portal O Jornal que visitaram a nascente do rio Marathaoan

Elisângela

Álvaro

Marron

Augusto

Guilherme

(Marron)

 



Veja mais fotos:




Link:




Deixe seu comentário



Vídeo


Newsletter
Cadastre seu email e receba nossos informativos e promoções de nossos parceiros.